Independência é vida!



Lobão é para mim um dos grandes ícones da música popular brasileira; além de um grande articulador e agitador cultural, um dos seres mais cultos e inteligentes  que transborda atitude nas terras Brasillis...

 Não bastasse  isto é um músico de mão cheia  acima de tudo responsável por algumas das principais canções já escritas no nosso vasto, rico e único cancioneiro.

 Sob o Sol de Parador ,no meu humilde entender, é o disco definitivo do rock Brasileiro que marcou o ciclo da transição política a qual eclodiu o movimento B rock e finalizou no nosso processo de transição democrática...bela trilha sonora para o Pré Fellini que rolou no planeta e na nossa Patria amada...

 Momentos para os fans da guitarra  pesquisarem e aprenderem estão de sobra na obra do Lobão ; desde a fúria shred de Carlo Bartollini em Sexy Sua e o Vento te levou, antevendo “Wyldismos e Lychismos”direto de LA por mãos brazukas em 88/89, o belo dueto de guitarras do Serginho Serra e do Edgard Scandurra  na “Maiacovsiquiana “Esfinge de Estilhaços” e os belos atonalismos do próprio Lobão em a Vida é Doce.

 Bom, mas quem quiser mesmo se aprofundar  na sua obra, recomendo a sua auto biografia,escrita em parceria com o  grande jornalista e guitarrista  Claudio Tognolli “50 anos a mil” acima de tudo uma aula de vida.

 Na verdade esta citação acima serve para ,além de mostrar meu apreço  pelo Lobão, dizer o quanto uma de suas declaração em relação ao crescimento do mercado independente tem se mostrado verdadeira.

 Cada vez mais, conheço artistas de todos os cantos do mundo com propostas inusitadas, que vem tomando voz e ganhando mercado;  guitarristas que tocam com guitarras de oito cordas misturando musica do  Afeganistão com metal , bandas de Death Metal taiuanesas, cena eletrônica experimental bombando forte, pop coreano , e  a cena regional seguindo em todos os cantos do Brasil , etc e tal.

 É um farol que aponta , o quanto podemos nos inserir neste contexto global, pois missigenação é “com a gente mesmo “, desde o Macunaíma até  misturar Chiclete com  Banana(o do Maestro Jackson do Pandeiro..o outro sinceramente..passo a vez para beeeemmmm longeeeeee....).

 Pesquisar elementos novos, surtar, misturar culturas, não ter medo de errar, ousar este é o caminho que faz a roda andar.

 Tomo a liberdade(dentro da minha missão como instrutor de guitarra) de compartilhar um conceito que uso muito e pesquisei da musica javanesa(sério!) que pode gerar sonoridades bem ousadas.
  



 Um modo Frigio com omissão de notas que soa legal sobre um acorde lídio meio tom acima...

 Enjoy and make some fuckin noise!!!!! Together and mixed!

  P.S .  Em tempo, falando em pop rock nacional, aguardem para breve a estréia em eventos e nos palcos da vida , da banda Malazarte, que estou tocando ao lado de meus bros Bruno F., Marcelo Gasperini e Rodrigo Brizzi com releituras “mudernas”(eita termo subjetivo) de sons dos anos oitenta e algumas músicas próprias.

Mestre!

Não é parente de sangue, mas é mais que  isto..é parente espiritual!(apesar de terem confundido meu tio com ele no meu casamento..rs...)

Chequem que história legal!

Obrigado pelas maravilhosas ferramentas que  tem me ajudado tanto!

Entra Julho....







A visâo da foto acima(com direito ao Sr Burns vigiando e o Santo Expedito para salvar a pátria quando "trava tudo"...), foi uma das mais comuns que tive neste semestre; correndo dos intervalos de aulas, estudo e das toneladas de afazeres domésticos e pessoais  direto para meu estúdio , passando um  pente fino em varios projetos.


Resgatei  as seções abertas de quase cem músicas, prontas ou rascunhadas que estavam em computadores e hds diversos; como varios amigos engenheiros de som disseram, um trabalho de meses e digno de um verdadeiro  “saco de elefante”.

Parte deste material é destinado a suprir minha participação como produtor associado da produtora Jacarandá http://jacarandatrilhas.com/, parceira já  há algum tempo, que vem desenvolvendo uma obra muito legal no setor de trilhas sonoras.

Também minha imersão no computador se deu no intuito de fazer definitivamente a migração de meus racks e teclados para VSts no intuito de agilizar as produções. Resumo da ópera : estou decidindo em que set vou usar a minha tralha midi, que confesso tenho grande apreço e apego....

Para quem pergunta,  o meu próximo disco solo esta na reta final, mas estou trilhando esta  mesma com calma, no intuito de não atropelar o amadurecimento natural que este demanda.

Além das aulas, particulares , no EM&T  e  Gigs gerais, esta parte de audio tem sido um dos principais braços de trabalho que sigo.

Numa  espécie de surto pré férias ,terminei a mix e devo mandar masterizar meu novo projeto New Age: Zen Garden.

Este já estava encaminhado desde a época do centenário Brasil/japâo, mas por várias  razões  ficou engavetado(ou melhor, “hdezado” ).Deve ver a luz do dia em breve, abaixo posto um trecho de uma rough mix de uma das músicas suas: Prayer


Bom  , segue julho e como tenho comentado,  agora é só soltar o freio de mão que  é ladeira  abaixo na velocidade e proporção  que cada um tomou nestes primeiros meses...

Boa sorte e férias a todos!

Oka

Mais um das antigas...Victoria Pub





Resgatando  video de uma performance antiga, numa grande casa de shows aqui de Sampa, onde muito me diverti e toquei, lendario palco onde muitos musicos ja veteranos(meu Deus...o tempo voa!) tiveram seu batismo de fogo e  lugar memorável onde até o Kiss e o Queen deram canjas...quem não se lembra da bela decoração similar a um verdadeiro Pub inglês,altos sons, gatas e bons fantasmas....

O Electric Shadows foi uma banda lendária da Pompéia a qual fiz parte e toquei em tudo quanto foi canto aqui em São Paulo, uma fase inesquecivel da minha vida, tinha apoio e tocava na Radio Brasil 2000 .

Os integrantes desta formação eram o Ale Dini (vocal, trabalha atualmente com marketing musical), o Ale Sousa(atual baixista do Remove Silence) e na bateria o Peri Carpegiani(que teve destaque depois como cantor do Fuga e do Nove mil Anjos)....


Okayama Seizi Tele-Vision

Galera, algumas fotos do protótipo da minha signature...em breve posto videos e detalhes..

A guitarra , (com perdão da expressão...) Tá  FODA!!!!!




Seizi works...




Estive hoje a tarde no QG da Seizi/Royal Music, grandes parceiros de longa data…

Fizemos umas fotos promos do protótipo de minha signature, para começar a divulgar o projeto (depois vou fazer um post bem minuncioso sobre a mesma guitar..um verdadeiro bólido!!!)e recebi mais um outro belo instrumento para meu arsenal , uma nova Tele Vision  na já icônica cor sonic blue, que evoca um  sabor retro característico de  filmes antigos de surf e de ícones do design vintage como carros antigos e até a geladeira e os  telefones da casa da vovó.

A guitarra possui a plataforma baseada na Telecaster, com um balanço e ergonomia muito particulares que vestem de uma forma muito legal.

Quem acompanha meu trabalho ou me conhece pessoalmente, sabe que sempre fui  fã deste modelo, e quando a pluguei  em meu estúdio a mágica se fez:  do Slayer ao Villa Lobbos, passando pelo country e bluesy...uma característica que só as Teles propiciam.

A Tele Vision é aquela guitarra que já vem resolvida da fábrica ,só tirar do bag e correr para a gig
As outras cores do catalogo também estão matadoras! Chequem na página da Seizi

A minha guitarra foi fotografada sobre um quadro de minha avó , a pintora nipo brasileira Tsukika Okayama, representante  do neo impressionismo e uma das fundadoras do grupo Guanabara ,um coletivo de pintores muito importante no Brasil.

Quem conhece o bairro da Aclimação aqui em Sampa vai sentir o clima da revoada de pombos  sobre a paisagem ingrime do bairro no quadro, só pela sobreposição da perspectiva e cores,uma característica do impressionismo.

Logo um post detalhado sobre a Okayama Tele Vision e vídeos da duas guitarras...

Banzai...

Valeu Royal music e Seizi!

Oka