music sweet music...

Num mundo cada vez mais louco ,confuso,onde a pressa se tornou lema desta “raspa do tacho” da globalização (para muitos denominada como hipercapitalismo) o fator urgência parece ser lugar comum (que o diga o consumo de bombas tarja preta ,drogas pesadíssimas e licitas,receita da felicidade instantânea..).

Urgência que nos tira a beleza que existe no contraste do caos e controle que norteia a existência humana desde a aurora dos tempos...

Esta neurose nos tira do foco da obviedade das coisas da vida,até mesmo do poder e forca que a musica por si só carrega; capaz de nos elevar o espírito , viajar pelo infinito de nossa alma e inconsciente, nos levando a uma busca aparentemente sem fim, onde os paradigmas da vida são contrariados num paradoxo único.

No meio musical a paranóia pela ascensão e fama leva a um beco sem saída em que a verdade e poesia da arte se diluem.

Ninguém sabe ao certo os rumos e caminhos que as coisas irão tomar; muito se discute principalmente nestes últimos dez anos, onde a digitalização de informação e navegação destas pela web está fragmentando o mercado musical de uma maneira radical...

Mas o fato é que a força e verdade da musica sempre se fará necessária e constante, uma verdade tão grande e misteriosa quanto Deus e o Universo.

Escrevo estas linhas , inspirado pelo maravilhoso disco” Throw down your heart” do genial Bela Fleck, gravado numa excursão pela Africa, berço da humanidade e da musica com músicos locais(descobri via indicação do Jason Becker em seu fórum) e também ao som do grande guitarrista inglês Phi Yann Zek , outro musico hermético cuja obra transborda alegria( ouçam Anomalies).

Como diria Frank Zappa: _ Music is the best!

Bons sons, sonhos e viagens sonoras!

Oka

Inspiração....





CDs e livros para turbinar a alma e ouvidos ;para inspiração de alguns projetos em reta final.....

Compartilho -os aqui....

Back to basics...



" Tudo que você precisa é de um caderninho"....assim definiu o brilhante Guilherme Arantes,em como as vezes complicamos a vida, tomando como exemplo como o cantor George Michael que só carregava um caderninho sendo algumas de suas mais belas letras escritas durante sua adolescencia em momentos de inspiração num caderno.


Tal relato foi feito pelo Guilherme numa clínica fantástica feita nos meados dos anos 2000 lá no EM&T( O Wander me disse: " Sobe que ele vai abrir tudo..."); de fato foi uma palestra muito esclarecedora e lúcida, vinda de alguém que conhecia os meandros do show biz muito bem, já antecipando o colapso que o mercado musical iria entrar no milénio.

Sempre usei cadernos na minha vida profissional para registrar insigths, mapear musicas, conceitos, idéias de livros, colunas,produções e tudo que achasse pertinente.

O caderno acima acompanha meu roteiro de estudos e gravações de meu novo CD solo( o livro do Don Mock atrás é um dos prediletos da casa...)

Acho que esta mania de anotar em cadernos veio de meu avo materno, calabrês da gema , desenhista e fabricante de móveis que fazia altos cadernos e relatos.

Num mundo onde somos sufocados pelas informações digitais em notes, tablets ,pen drives, escrever a mão livre é quase profissão de fé; mas não seria a vida um eterno afirmar nossas crenças conceitos e sonhos?

Reflexão sobre a carreira...


Muitos alunos,e galera em geral, costumam perguntar sobre a velha questão de viver ou não de musica.

O fato é que todas as profissões estão passando por transformação de "modus operandus" e respectiva redundância no mercado, dado a uma certa ufania em mandar tudo a merda e "ser feliz"....

Similar a questão já caricata de se montar uma pousada na praia e encontrar a felicidade ao som de gaivotas e com o gosto de maresia em sua Shangri la particular.

Como já dizia minha santa avó, prudência é sempre bom, o fato é que muitas vezes se atirar de cabeça sem avaliar os meandros do percurso é bobagem grossa.

Segue abaixo um documetario muito bacana, que me foi enviado pelo Diego (amigo e aluno do IG&T).

Como sempre esbarra naquela dita questão de que o pseudo bolchevismo em acabar com a industria do disco(via file sharing) virou um tiro de bazuca nos pés da própria classe musical, pois uma fatia enorme da receita dos artistas em venda de musica e licenciamento esta indo para a casa do chapéu graças a festa do abacate que se tornou o baixar musica.

Pensem e reflitam
(mais importante : façam a coisa certa!)

Oka

Se você pudesse jantar com qualquer pessoa, viva ou morta, quem seria e onde você gostaria de ir?

Keith Moon ou Jimi Hendrix! iria num pub( beberia Coca- Cola..rs) ou numa casa de chá e café

Ask me anything