Music sweet music....

Durante uma semana mostrei direto para muitos alunos o teaser do vídeo do Anvil(maldade minha?????). Alguns chegaram a lágrimas sinceras....

O fato é que este filme , é um dos melhores que vi nos últimos tempos, um documentário muito bem roteirizado feito com emoção e muita transparência.Como citei no post anterior, muito realista no que diz respeito a vida de artista e de seres humanos em geral; uma lição de vida com L maiúsculo!

Viver de música não é bolinho....para muitos uma loteria, para outros , profissão de fé e coragem ...para uma grande parte, ainda é ,infelizmente, um caminho para massagear o ego...

Meu grande amigo e um dos maiores guitarristas que vi tocar, o Michel leme, tem uma ótima frase: “sirva a música acima de tudo..o resto é conseqüência”.

Charlie Bukowski,costumava dizer que as referências de seres humanos que temos estão erradas..sempre os vencedores que mais estão para o Ken a a Barbie com MBA em “projeto de vida” é que são os exemplos de dignidade e respeito.

Todavia, vale frisar que quem sempre salva o rabo do mocinho nos antigos filmes de faroeste são sempre os excluídos : o coveiro, a puta o índio e o bêbado...dos Kens e Barbies temos uma banana para nosso herói na hora do “pega para capa”.

Bukowski o anti herói máximo , sempre mostrou luz e verdade em sua aparente sombra, o mesmo é mostrado pelo Anvil e sua batalha retratada no filme ,justamente numa era de rock stars forjados com forminha de bolo(próxima leva adiante!!!!) e divas do R&B silicondas e autotunadas no ultimo !

Epa.. péra ai....Na minha época R & B era Ray Charles e Aretha Franklin, Hardcore era Blag Flag e GBH e, mais que tudo: funk era Parlament e o bom e velho Tim Maia no auge da fase Racional!!!

Mas isto é assunto para outra conversa

Oka

Um comentário:

Rori disse...

Outro dia assistia um programa de TV onde um dos carinhas do Restart foi perguntado sobre o que seria do seu público adolescente daqui a poucos anos. A resposta me fez pular do sofá: "Qual a banda que dura mais de dois álbuns?". Meu Deus!!! Música comercial sempre existiu e sempre vai existir. Agora, um músico que não acredita no que faz não deve ser chamado de musico. A resposta está no seu post Marcio. Acho que o problema está nas referências. Se eu ouço lixo a tendência é que eu faça um derivado de lixo. Entendo que o amor à música deva sempre falar mais alto. Isso faz com que, mesmo não gostado de alguns estilos, respeitemos quem os faz. Porque vemos a convicção nos olhos do outro músico. O resultado é isso. Qual foi o último solo de guitarra que vc ouviu no rádio? Riffs então... Os power-chords de hj não tem a atitude punk e são tão agressivos quanto uma pétala de rosa. Vc falou em funk, agora só o do Rio. Na boa, vou escutar um Knopfler para recarregar as baterias... Gde Abs