O mundo precisa de mais Chaplins e Keith Moons....

O mundo precisa de mais Chaplins e Keith Moons....


O colunista da Folha e editor do Fantástico ,Álvaro Pereira , definiu o belo e triste 21 Gramas, como sendo um filme que fotografa, de maneira precisa, a tristeza e desesperança de nossos dias... bela e contundente colocação.
Nunca se viu tanto desespero e falta de perspectiva nos dias e noites da espécie humana.
Culpa, será de quem? Do excesso de expectativa que colocamos aqui nos vales de silício, na globalização e no materialismo crasso , que virou a nova religião e culto desta era, marcada pela veneração ao poder e dominação em pequenos e grandes lugares, por pequenas e grandes pessoas?
Charlie Chaplin, um dos primeiros workaholics da era da comunicação, era um gênio, cuja imagem de Carlitos evoca nas pessoas sentimentos puros , camuflados e dispersos nos nossos "Tempos Modernos".
Em minha vida devorei tantas biografias do Who que, às vezes, sinto que sua vida e obra preencheram tanto a minha quanto a de qualquer meu familiar.
Lendo a bela "Who Chronycles", nestas férias(valeu Dulce!), o sentimento similar à figura de Carlitos foi evocado ao rever a figura de Keith Moon.
Considerado,além de gênio maluco da bateria, Moon, melhor que ninguém, personificou o palhaço no circo do rock’n roll; segundo o próprio Towshend, Keith seria capaz de botar fogo em si mesmo, se isso servisse para alegrar alguém ou arrancar risos de uma platéia.
É impossível permanecer estático ao rever os clássicos vídeos das apresentações do Who em Monterey e na Ilha de Wigth , em suas hilárias entrevistas ,em documentários, dando peidos (ao vivo e em cores) e explodindo baterias ; a figura de Moon é tão forte quanto à de Carlitos ou de qualquer gênio da comédia, seja Totó, Groucho Marx , Ugo Tognazzi ou Graham Chapman.
Meu Deus!!! Estará o mundo fadado a ser uma geração de "robozinhos-humanos" que encaram a vida como um mapa programado em busca do sucesso e triunfo, em que drama, humor, risos e lágrimas , os quais caracterizam o belo caos da existência humana, estão sendo substituídos pela previsibilidade?
Que os anjos nos tirem dessa roubada.....

Um comentário:

Danilo Fontes disse...

Pois é. A sociedade está cada vez mais fria, sem emoção. Me espanta abrir um jornal para ler e ver a quantidade de tragédias que estampam as manchetes. Espanta mais ainda a apatia com que as pessoas encaram isso.

Precisamos sim de caras como Charles Chaplin e Keith Moon para nos mostrar que o mundo é mais que essas merdas aí. E com certeza é.

Ótimo texto, Oka!