Repostando...

Fósseis de aviões na Oca

Para quem não sabe, o prédio da Oca no parque do Ibirapuera costumava abrigar, há não muito tempo dois museus: o da Aviação e o do Folclore.

O primeiro citado era o meu passeio favorito na infância; enchia o saco dos meus pais por muitos fins de semana para passear lá.

Logo na entrada estava um Gloster Meteor inglês, o primeiro avião a jato usado pela FAB; entre as muitas preciosidades, residiam também o Jaú(um hidroavião que um brasileiro cruzou o Atlântico), um Piper da Ada Rogatto, a primeira mulher a atravesar o mundo, (o avião inteiro assinado por Artistas,Papas e Reis),um T6 da esquadrilha da Fumaça, uma réplica do 14 Bis e creio que o Demoisselle original do Santos Dumont, um P47 original da campanha brasileira na Itália na 2a guerra, e muitas outras preciosidades.

Repousavam lá também as cinzas do Pe. Bartolomeu de Gusmão(pioneiro dos balões); havia uma sala de troféus e jóias de grande nomes da nobre arte de imitar os pássaros e senão me engano uma pedra da Lua junto outros recuerdos da corrida espacial além de uma bela merabilia do pai da aviação

O de Folclore ficava no andar de cima, achava um puta saco ,pois afinal para uma criança aviões tem muitos mais apelo que bonequinhos de barro.

Tomei contato com o mesmo e sua importância na época da Faculdade,através da professora Niomar que era diretora do respectivo museu e fiquei assombrado com o acervo e trabalho de pesquisa executado

O folclore ,a cultura espontânea, é um dos patrimônios principais de uma nação;vejam como a produção de música étnica aumentou no mercado!

O fato é que durante uma certa gestão municipal, todo este acervo foi mandado sabe lá Deus para onde no intuito de montar uma exposição dos 500 anos do descobrimento da Pátria Amada Salve Salve

Reza a lenda que foi uma crueldade como os aviões foram desmontados por uma equipe totalmente não qualificada e jogados numa fazenda em Itapecirica da Serra.

A famíla do piloto do Jaú, ficou puta ao saber que o avião celébre estava virando comida de cupim, e justamente clamou a posse do mesmo para a terra do piloto.

Só tive coragem de ir a alguma exposição na oca em 2006, pelo fato de se tratar de uma assunto que me apaixonou desde a infância: os dinossauros! Sabia de cor tanto formatos e nomes de Triceratops, como de Phantons F4; tanto a coloração de uns como o padrão de camuflagem dos outros....

Realmente a exposição estava muito legal, coisa de primeiro mundo, todavia me senti num cemitério, não só pelos ossos dos bichos....

Nenhum comentário: